Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário

Seções Sindicais

Filiado à CUT

Seção Sindical de Sete Lagoas - MG

Home Pesquisa em foco

Novas ações trabalhistas caem pela metade depois de reforma na CLT

O número de ações trabalhistas na Justiça caiu pela metade após a entrada em vigor da chamada reforma trabalhista. A média de novos casos em primeira instância, que costumava passar de 200 mil por mês, caiu para 84,2 mil em dezembro de 2017, primeiro mês completo da nova legislação, conforme reportagem publicada neste domingo (4/2) pelo jornal O Estado de S. Paulo, citando dados do Tribunal Superior do Trabalho.

Em novembro do ano passado, antes das alterações na Consolidação das Leis do Trabalho valerem, a entrada de ações em varas do Trabalho alcançou 289,4 mil. Advogados atribuem o cenário às dúvidas sobre como a nova lei seria aplicada e o dispositivo que impõe a quem perde o processo a responsabilidade de pagar honorários de sucumbência.

A Federação das Entidades Sindicais dos Oficiais de Justiça do Brasil, entidade que protocolou a ação, afirma que, para cumprir a Constituição e defender direitos e interesses da categoria, sindicatos precisam de uma “fonte de custeio segura e efetiva”.

 

Revisão da jurisprudência


Na terça-feira (6/2), o Pleno do TST vai discutir as alterações de sua jurisprudência em função das mudanças na CLT. O ponto de partida dos debates é uma proposta, elaborada pela Comissão de Jurisprudência e Precedentes Normativos do Tribunal em novembro do ano passado, que trata de 34 temas que foram objeto de mudança legislativa.

Estão na lista horas de deslocamento, diárias de viagem e supressão de gratificação de função. Dois outros pontos importantes serão objeto de discussão e dizem respeito ao direito intertemporal, ou seja, à modulação dos efeitos das mudanças legislativas.

A primeira é se a nova redação da CLT se aplica aos contratos já em vigor ou apenas aos novos contratos. A segunda diz respeito aos processos trabalhistas já em curso.

* Texto atualizado às 15h15 do dia 4/2/2018 para acréscimo de informação.

Fonte:

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2018, 14h28

 
Embrapa lança variedade superprecoce de feijão carioca que fica pronto para colheita com 65 dias
18/02/2018

Durante a Show Rural Coopavel, a Embrapa Arroz e Feijão lançou oficialmente a variedade BRSFC104, uma variedade superprecoce de feijão carioca, com ciclo de apenas 65 dias e com poucas perdas de pr [ ... ]


Bayer pode comprar Monsanto se vender alguns ativos de sementes e agrotóxicos
08/02/2018

A compra da Monsanto pela Bayer foi autorizada pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) nesta quarta-feira (7/2). Porém, a operação só ocorrerá se a companhia alemã venderseus at [ ... ]


ARTIGO: EMBRAPA EM FOCO: A VERDADE SOBRE SUA NATUREZA E A BUSCA DE NOVOS CAMINHOS
05/02/2018

Algumas reportagens publicadas recentemente pela imprensa, ao abordarem apenas aspectos pontuais do orçamento da Embrapa, acabaram levando à sociedade, de um modo geral, uma visão equivocada da ins [ ... ]


Empresa da família Maggi leva 70% do subsídio ao milho em programa do governo
25/07/2017

A Amaggi, empresa da família do ministro da Agricultura, Blairo Maggi, mostrou um apetite sem precedentes neste ano em leilões de Prêmio de Escoamento do Produto (PEP) para subvencionar o transp [ ... ]


Embrapa alcança posição de destaque em ranking mundial de produção científica
11/07/2017

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) atingiu o segundo lugar entre as instituições científicas governamentais brasileiras. Além disso, a entidade entrou para o ranking mundial  [ ... ]


Água e agronegócio: uma relação a ser mais bem examinada
20/06/2017

As cadeias produtivas da agricultura e das agroindústrias têm cada vez mais impactado os recursos naturais em nosso país. Recentemente a água tem se tornado objeto de atenção por conta de dif [ ... ]


Outros artigos: