Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Pesquisa e Desenvolvimento Agropecuário

Seções Sindicais

Filiado à CUT

Seção Sindical de Sete Lagoas - MG

Pesquisador da Embrapa é demitido por críticas à instituição

A matéria a seguir foi retirada do Portal Direto da Ciência:

Um artigo publicado no Estadão na sexta-feira (5) custou a seu autor, o sociólogo Zander Navarro, a demissão de seu cargo de pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), estatal vinculada ao Ministério da Agricultura. Ontem, segunda-feira (8), ele recebeu da administração um documento comunicando seu desligamento.

Questionada por meio de sua Secretaria de Comunicação no início da tarde desta terça-feira, a Embrapa afirmou por telefone que Navarro foi demitido por ter sucessivamente infringido o código de ética da empresa. Direto da Ciência em seguida questionou quais disposições do citado código teriam sido desrespeitadas pelo pesquisador. A pergunta foi enviada também por e-mail.

Na sequência, a reportagem entrou em contato com Navarro, que estava na Embrapa, em Brasília, às voltas com a retirada de seus objetos pessoais. Ele afirmou que no comunicado que recebera constava que sua demissão havia sido decidida pela presidência da estatal, que considerou terem sido cometidas por ele transgressões disciplinares que culminaram no texto publicado no centenário jornal paulistano.

Intitulado “Por favor, Embrapa: acorde!”, e com o subtítulo “Concorrentes correm à nossa frente e a estatal dorme embalada pelos sonhos do passado”, o artigo de Navarro afirmou:

O ano entrante é decisivo para a Embrapa. Seu atual presidente será provavelmente substituído. Não poderia estatutariamente ser reconduzido. Haverá também a substituição do atual titular do Ministério da Agricultura, onde está alocada a empresa. E teremos eleições presidenciais. Qual será o futuro da Embrapa? É um cenário imprevisível, para o qual a organização está despreparada. Seu funcionamento interno é autoritário e não permite debater a situação e a construção de cenários plausíveis. E existe enorme resistência da direção em promover as mudanças urgentes e necessárias.

Ao final desse texto, Navarro se identifica como “Sociólogo e pesquisador em ciências sociais”, e não como pesquisador da Embrapa. Ele afirmou à reportagem que em todos os seus artigos, palestras e apresentações sempre explicitou que se pronunciava apenas em seu nome, a fim de evitar problemas com a estatal.

Polêmicas

Navarro graduou-se em agronomia pela Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, em 1972 e concluiu mestrado em sociologia rural em 1975 pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), onde foi docente até se aposentar em 2011. Em 1981 obteve seu título de doutor em sociologia pela Universidade de Sussex, no Reino Unido. E concluiu seu pós-doutorado em 1992 no Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos.

Em 2011, Navarro ingressou na Embrapa Estudos Estratégicos e Capacitação, em Brasília. Ao ser demitido, estava lotado na Secretaria de Inteligência e Macroestratégia da empresa.

Polêmico, o sociólogo sustenta que a reforma agrária não tem futuro e afirma que a agroecologia não tem fundamentação científica. Em 2015, foi co-autor do livro “Novo mundo rural: A antiga questão agrária e os caminhos futuros da agropecuária no Brasil”(Editora Unesp), com Xico Graziano, que foi deputado federal pelo PSDB e secretário da Agricultura e do Meio Ambiente do Estado de São Paulo.

Até o fechamento desta reportagem a Embrapa não respondeu à pergunta sobre quais dispositivos do código de ética da empresa teriam sido considerados como infringidos por Zander Navarro.

Fonte: Direto da Ciência

18:52:31

2018-01-09